NOTICIAS ATUAIS E FATOS QUE FIZERAM A HISTÓRIA DO SANTOS FC

<><><><> BEM - VINDO A ESTE BLOG <><><><>


Atenção: Este Blog não tem fins lucrativos e é usado apenas como hobby


sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Alguns dias de...




Caros amigos, durante os próximos dias não faremos postagens neste blog, pelo motivo de curtas férias e principalmente, porque no que diz respeito ao futebol, está tudo paralisado, exceto os boatos sobre transações de jogadores... 


Pediria a vocês, que para não perderem o hábito de ver o blog, "folheassem" as páginas com as postagens mais antigas. Para quem não acompanhou desde o início, encontrarão muitas matérias interessantes, principalmente as que retratam a Gloriosa História do Santos FC.  Abraços e até logo.


Um Feliz Ano Novo a todos... 


                                              

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Meu Natal Santástico - Luiz Miguel conhece Neymar


A mãe de Luiz escreveu uma carta em nome do filho, que é autista, para o Papai Noel. O seu maior sonho era conhecer o Neymar. Como realizar sonhos de meninos é a especialidade do Peixe...



domingo, 23 de dezembro de 2012

Um ótimo Natal a todos os visitantes deste blog

                                                     

Com mudanças nos critérios, Santos cai para nono no ranking da CBF



A CBF divulgou o ranking dos clubes brasileiros de 2012, com mudanças em relação ao ano passado. As alterações mudaram bastante a posição do Santos. O time caiu da segunda para a nona posição. Outro clube prejudicado foi o Palmeiras, que foi de primeiro para oitavo.

No novo ranking, a confederação passa usar como critério os últimos cinco anos e os campeonatos recentes têm peso maior. O antigo método, adotava todos os campeonatos disputados desde 1959. Com a alteração, o atual líder da tabela é o Fluminense, campeão brasileiro em 2012.

O Corinthians ocupa a segunda colocação, com a conquista da Libertadores e Mundial deste ano. Os primeiros colocados do Ranking Nacional de Clubes são os cabeças de competição no sorteio da Copa do Brasil.

Confira os dez clubes mais bem colocados:




sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Há 45 anos, Santos FC vencia São Paulo e conquistava 10º título Paulista


Foi necessária a realização de uma partida extra para se definir o campeão paulista de 1967, já que as equipes do Santos FC e do São Paulo encerraram suas participações no certame empatadas em primeiro lugar, com 41 pontos ganhos e 11 perdidos. Essa disputa aconteceu no dia 21/12/1967, no Estádio do Pacaembu, com o time santista vencendo pelo placar de 2 a 1, com gols de Edu e Toninho Guerreiro. Assim, o Alvinegro Praiano conquistou o 10º Campeonato Paulista de sua história.

O Peixe campeão (foto) formou com: Claúdio; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Joel Camargo e Rildo; Clodoaldo e Buglê; Wilson Tergal, Toninho Guerreiro, Pelé e Edu. O técnico era Antônio Fernandes, o Antoninho.

Para chegar ao título, o Alvinegro da Vila disputou 27 partidas, conseguindo 17 vitórias, 9 empates e sofrendo apenas uma derrota. O time marcou 63 gols e sofrendo 33.

Os artilheiros santistas no campeonato foram:Toninho Guerreiro (16 gols), Pelé (15), Carlos Alberto Torres (8), Silva (7), Edu (7), Douglas (4), Rildo (3), Wilson Tergal e Coutinho (1). Luiz Pereira marcou um gol contra contra a favor do Peixe.

Faziam parte do elenco os seguintes jogadores: Abel, Toninho Guerreiro, Lima, Coutinho, Carlos Alberto Torres, Clodoaldo, Pelé, Geraldino, Joel Camargo, Edu, Buglê, Zito, Pepe, Mengálvio, Oberdã, Orlando Peçanha, Rildo, Wilson Tergal, Ramos Delgado, Douglas, Silva, Turcão, Osvaldo e os goleiros Gilmar, Cláudio e Laércio.

Além do técnico Antoninho, faziam parte da comissão técnica: o administrador Ciro Costa, os médicos Daló Salerno e ItaloConsentino, o preparador físico Júlio Massei, os massagistas Macedo e Beraldo, o enfermeiro Matheus, o massagista auxiliar Mendonça e o roupeiro Rochinha.

Curiosidades
Na última partida do campeonato, o Peixe jogou e venceu a Portuguesa Santista por 3 a 1 com gols de Pelé, Toninho Guerreiro e Edu. O jogo aconteceu no Estádio UlricoMursa, já que “A Mais Briosa” não aceitou antecipar a partida para sexta-feira, dia 16, exigindo uma compensação financeira de 22 mil cruzeiros novos, que não foi aceita pela diretoria santista.

Foi durante essa partida que a torcida do Alvinegro comemorou, além da vitória obtida, a colocação do time na liderança do certame juntamente com a equipe do “Tricolor do Morumbi”.No mesmo horário da partida do Peixe, o São Paulo jogava no Pacaembu contra o Corinthians e viu suas chances de sagrar-se campeão se esvaírem após sofrer o gol de empate corintiano aos 44' e 30 segundos do segundo tempo por intermédio de Benê. A partida terminou empatada em 1 a 1.

Um detalhe que deve ser lembrado é que o técnico do Corinthians era o ex-técnico santista Luiz Alonso, o vitorioso Lula, que em conversa com o dirigente santista José Bernardes Ferreira comentou: “Este ano o título fica na Vila Belmiro; vou ganhar do São Paulo e dar o título ao Santos.Será o meu presente de Natal”.

A diretoria santista que tinha entrado com recurso no Superior Tribunal de Justiça da CBD pois entendia que na partida diante do Comercial que terminou empatada em 1 a 1 em Ribeirão Preto, os pontos deveriam ser dados ao Santos pois queriam que o time de Ribeirão Preto deveria ser punido com a perda dos pontos pois a partida foi encerrada antes do tempo do normal devido a falta de segurança no Estádio Palma Travassos, mas prevaleceu o bom senso e a diretoria retirou o recurso antes que o mesmo fosse apreciado pois não queria ganhar o campeonato no tapetão e sim dentro das quatro linhas como realmente aconteceu.

(Fonte texto: Site Oficial do Santos FC)

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Resumo dos jogos do Santos FC em 2012





Dados de jogos do Santos FC na Vila Belmiro
Ultima atualização realizada em 1 de dezembro de 2012
JOGOS- 27
VITÓRIAS -
 17
EMPATES - 8
DERROTAS - 2
PONTOS DISPUTADOS - 81

PONTOS GANHOS - 59 (APROVEIT. - 72,84%)
GOLS PRÓ - 58 (MÉDIA 2,15 GOLS/JOGO)
GOLS CONTRA - 19 (MÉDIA 0,70 GOL/JOGO)
SALDO - 39

Dados do Santos FC no Campeonato Paulista 2012
Ultima atualização realizada em 13 de maio de 2012
JOGOS- 23
VITÓRIAS -
 16
EMPATES - 3
DERROTAS - 4
PONTOS DISPUTADOS - 69

PONTOS GANHOS - 51 (APROVEIT. - 73,91%)
GOLS PRÓ - 58 (MÉDIA 2,52 GOLS/JOGO)
GOLS CONTRA - 21 (MÉDIA 0,91 GOL/JOGO)
SALDO - 37
Santos FC - Tri Campeão Paulista de 2012

Dados do Santos FC no Campeonato Brasileiro 2012
Ultima atualização realizada em 1 de dezembro de 2012
JOGOS - 38
VITÓRIAS - 13

EMPATES - 14
DERROTAS - 11
PONTOS DISPUTADOS - 114

PONTOS GANHOS - 53 (APROVEIT. - 46,49%)
GOLS PRÓ - 50 (MÉDIA 1,32 GOL/JOGO)
GOLS CONTRA - 44 (MÉDIA 1,16 GOL/JOGO)
SALDO - 6

Dados do Santos FC na Copa Libertadores 2012
Ultima atualização realizada em 21 de junho de 2012
JOGOS- 12
VITÓRIAS -
 6
EMPATES - 2
DERROTAS - 4
PONTOS DISPUTADOS - 36

PONTOS GANHOS - 20 (APROVEIT. - 55,56%)
GOLS PRÓ - 23 (MÉDIA 1,92 GOLS/JOGO)
GOLS CONTRA - 10 (MÉDIA 0,83 GOL/JOGO)
SALDO - 13

Dados do Santos FC na Recopa Sul-Americana 2012
Ultima atualização realizada em 9 de outubro de 2012
JOGOS- 2
VITÓRIAS -
 1
EMPATES - 1
DERROTAS - 0
PONTOS DISPUTADOS - 6

PONTOS GANHOS - 4 (APROVEIT. - 66,67%)
GOLS PRÓ - 2 (MÉDIA 1 GOL/JOGO)
GOLS CONTRA - 0 (MÉDIA 0 GOL/JOGO)
SALDO - 2

Santos FC Campeão da Recopa 2012
A Recopa Sul-Americana 2012 foi disputada entre o campeão da Libertadores 2011, Santos FC, e o campeão da Sul-Americana 2011, Club Universidad de Chile.
Na primeira partida, no Estádio Nacional, em Santiago (Chile), no dia 22 de agosto de 2012, empate em 0 a 0. Na segunda, no dia 26 de setembro, no Pacaembu, o Peixe venceu por 2 a 0, com gols de Bruno Rodrigo e Neymar, e ficou com o título.
Atuaram pelo Santos FC no primeiro jogo: Rafael, Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Adriano, Arouca, Pato Rodriguez (Felipe Anderson) e PH Ganso; André (Miralles) e Neymar. Técnico: Muricy Ramalho
No segundo: Rafael; Bruno Peres (Ewerton Páscoa), Bruno Rodrigo, Durval e Léo (Gerson Magrão); Adriano, Arouca, Pato Rodriguez (Miralles) e Felipe Anderson; Neymar e André. Técnico: Muricy Ramalho



Dados do Santos FC na temporada 2012
Ultima atualização realizada em 1 de dezembro de 2012
JOGOS - 75
VITÓRIAS -
 36
EMPATES - 20
DERROTAS - 19
PONTOS DISPUTADOS - 225

PONTOS GANHOS - 128 (APROVEIT. - 56,89%)
GOLS PRÓ - 133 (MÉDIA 1,77 GOLS/JOGO)
GOLS CONTRA - 75 (MÉDIA 1,00 GOL/JOGO)
SALDO - 58


Dados de jogos do Santos FC na história 
Ultima atualização realizada em 1 de dezembro de 2012
TOTAL - 5640
VITÓRIAS - 2919
EMPATES - 1305
DERROTAS - 1416
GOLS PRÓ - 11885
GOLS CONTRA - 7525
SALDO - 4360
(Fonte: Site Oficial do Santos FC)


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Histórias e estórias (31): Excursão de dar vergonha...


Uniforme usado em 1985

Caros amigos, gostaríamos de fazer postagens só com matérias que engrandecesse ainda mais nosso glorioso  Santos FC. Porém, temos que divulgar também fatos tristes, ocorridos principalmente por falta de capacidade e planejamento de pessoas sem condições de exercerem cargos com alguma responsabilidade. Com isso, neste caso, quem "pagou o pato", foram os jogadores que só estavam obedecendo as determinações.


Talvez muitos desconheçam o que mostrarei nesta postagem, cujo título reflete o que foi aquela excursão do Peixe em 1985.


A década de 80 é provavelmente a de pior lembrança para os santistas. E isso se reflete também nas excursões para fora do Brasil. Em agosto de 1985, o Peixe partiu para uma maratona na Itália. Mas o glamour foi zero. Os adversários eram times da terceira, quarta e quinta divisões do país. Teve até jogo contra o combinado de atletas sem contrato!

E contra adversários desse teor, os públicos eram fraquíssimos... 500 numa partida, 1.000 em outra e assim ia…  Mas o pior foi o jogo de encerramento: vitória por 2 a 1 sobre o combinado de atletas sem contrato da Federação Italiana.

Vejam todos os adversários e tirem suas conclusões:

A estréia foi em Riva Del Garda, às margens
do Lago Garda, o maior da Itália
07/08 – 6×0 time de Riva Del Garda (Itália) – Em Riva del Garda – Um jogo-treino onde sequer o nome do adversário ficou conhecido…

09/08 – 2×0 Aosta FC (Itália) – Aosta - Mil testemunhas viram a vitória santista.

11/08 – 2×1 AS Casele Monferrato C (Itália) – Casele Monferrato – (4ª divisão Italiana) O incrível público de 516 pessoas viram a vitória obtida com um gol de Zirmermman.

13/08 – 1×0 Novara C (Itália) – Novara

14/08 – 2×0 Seleção de San Marino – San Marino

16/08 – 3×1 UC Chioggia Sotto Marina (Italia) – Chioggia

21/08 – 0×1 Ternana C (Itália) - Ternana

Lucca está situada na belíssima Toscana - Itália



25/08 – 2×1 Combinado de atletas sem contrato da Federação Italiana – Lucca – Mais um jogo-treino, portanto não oficial. Eram atletas da 2ª divisão que estavam sem contrato…No banco de reservas do SFC ficou o atacante Roberto Pruzzo, artilheiro da Roma. Especulava-se que Pruzzo poderia ser contratado pelo Santos FC, o que não aconteceu.


Humor no futebol... Convite Impróprio




Os apóstolos iam jogar uma partida de futebol contra o time dos centuriões do Império Romano e resolveram cortar caminho pelo Monte Calvário.


Quando chegaram no alto do morro, avistaram Jesus sendo erguido na cruz. Ficaram muito sem graça, até que um deles se dirigiu ao mestre:

— Rabi, vamos bater uma bolinha?

Jesus olhou aqueles pobres e rudes homens com profunda misericórdia e respondeu:

— Hoje não dá... Tô pregado!



segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Santos FC lança Almanaque Oficial com história passada a limpo


Após décadas de pesquisas e o trabalho conjunto de vários historiadores alvinegros, a história santista foi passada a limpo e está toda descrita no Almanaque oficial do Santos FC, que traz dados oficiais reconhecidos pelo Clube e de acordo com todos os critérios universais, obedecidos por todos os times.

O livro, que é assinado pelo historiador Guilherme Nascimento, colaborador do Santos FC, será praticamente obrigatório para colecionadores, pois traz a ficha técnica de todas as partidas disputadas nos 100 anos de história do Peixe: 5.640 jogos. Local, escalação, público, quem fez os gols, enfim, o máximo de informações possíveis sobre cada duelo santista. Como uma vitória de 10 a 0, em 1919, que até pouco tempo era desconhecida até pelo Clube, e um jogo-treino na Costa do Marfim, na África, em que Pelé atuou como goleiro pelo Peixe no primeiro tempo e, no segundo tempo, atuou ao lado dos africanos.

Pelos dados descritos nas mais de 5 mil fichas técnicas, é possível entender porque o Santos é o Clube brasileiro mais conhecido e admirado em todo o mundo: o Peixe foi visto por mais de 18 milhões de pessoas em estádios fora do Brasil.

O lançamento do Almanaque será mais um evento importante dentro do Calendário do Centenário do Santos FC.

(Fonte: Site Oficial do Santos FC)

domingo, 16 de dezembro de 2012

Uma conquista merecida: Corinthians 1 x 0 Chelsea


Caros amigos, apesar da dificuldade nos próximos meses em aguentar a torcida corintiana e principalmente a mídia escrita e falada, a vitória do alvinegro Paulistano na manhã deste domingo no Japão, foi mais do que merecida. Empurrado por sua fiel e vibrante torcida, o Corinthians jogou com raça, muita determinação e principalmente, muito bem preparado psicologicamente.

Tá certo que o Chelsea não é nem sombra do Barcelona que enfrentou o Santos no ano passado, porém, fica a pergunta: Será que o Santos não poderia ter feito nada para tentar impedir uma derrota tão vexatória? Sempre comento com amigos, que se fosse qualquer outro time de primeira linha do Brasil, não teria perdido da maneira que o Santos perdeu.

Acho que a vitória do Timão premiou sua torcida que é disparada a mais vibrante do país, sendo o maior fator de desequilíbrio deles. São apaixonados pelo Clube, enchem estádios, exigem que o jogador dê o sangue pelo time e comprometimento da diretoria.
Enquanto isso (fazendo uma crítica construtiva), mesmo tendo o melhor jogador do país, nossa torcida não consegue lotar nem mesmo a Vila Belmiro! Ou pior ainda: Na final da Recopa, não conseguimos lotar o Pacaembu! Portanto, somos apaixonados pelo Santos, sim, mas à distância...

A conquista do Corinthians foi boa também para baixar a soberba dos europeus, que estão se achando a mil anos luz à frente dos sul-americanos. Serviu também para impor respeito ao Brasil, que será o país sede da próxima Copa das Confederações e Campeonato Mundial.

Portanto, apesar da rivalidade, da chatice de muitos torcedores (existem "bons" corintianos), do puxa-saquismo da imprensa e por ter esportivamente elevado o nome do Brasil, parabenizamos ao Corinthians pela espetacular conquista do Mundial de Clubes da Fifa de 2012.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Uma década de um título histórico!



Caros amigos, hoje, 15/12/2012, comemoramos 10 anos da conquista do Campeonato Brasileiro de 2002. Fato este, que jamais será esquecido pela torcida do Peixe, devido às circunstancias que envolveram aquele título, marcando o inicio de uma nova era de conquistas para nosso glorioso Alvinegro.

Após dois anos investindo em medalhões, em 2002, com o caixa vazio, o Santos traz o técnico Leão e resolve dar espaço aos pratas da casa.

Com um time formado basicamente por garotos (era a segunda geração de Meninos da Vila), supera na decisão, o São Paulo, o Grêmio e o favorito rival Corinthians, então campeão do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil.

Liderado por dois jovens - o meia Diego, 17 anos, e o atacante Robinho, 18 anos, além de Alex, Renato, Elano e outros -, o Santos espanta o temor de rebaixamento que rondava o clube antes do torneio nacional e conquista a competição de forma gloriosa.

Com show de Diego contra o São Paulo de Kaká, com direito a "dancinha" no símbolo do rival no Morumbi, e de Robinho na semi, com golaço de cobertura na Vila e na final, quando aplicou as famosas oito pedaladas em cima do corintiano Rogério, o time histórico encerrou jejum de 18 anos.

 A base era formada por: Fábio Costa; Maurinho, Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Robinho e Alberto.

Vamos relembrar os gols e principais lances dos dois jogos da decisão, nos vídeos abaixo:











Data: 15/12/2002
Competição: Campeonato Brasileiro -- Finais -- 2º jogo
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 74.586
Renda: R$ 1.152.809,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Cartões amarelos: Fabinho, Fábio Luciano, Fabrício, Maurinho e Fábio Costa
Gols: Robinho, aos 37min do primeiro tempo; Deivid, aos 30min, Anderson, aos 39min, Elano, aos 43min, e Léo, aos 47min do segundo tempo.

CORINTHIANS
Doni; Rogério, Fábio Luciano, Ânderson e Kléber; Fabinho (Fabrício), Vampeta e Renato; Deivid, Guilherme (Leandro) e Gil.
Técnico: Carlos Alberto Parreira

SANTOS
Fábio Costa; Maurinho, Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Robert/Michel); Robinho e William (Alexandre)
Técnico: Emerson Leão


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Em jogo festivo na Vila, torcida protesta com faixa e acusa Laor de ser "ladrão"

Protesto durou pouco mais de 10 minutos, já que a organização do evento retirou a faixa

















 O jogo beneficente do ex-zagueiro Narciso, que contou com a participação de Neymar e diversas personalidades do esporte, também serviu para a torcida do Santos protestar contra o presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, nesta sexta-feira, na Vila Belmiro.

Os torcedores estenderam uma faixa nas arquibancadas do estádio cobrando cerca de R$ 190 milhões arrecadados pelo clube nesta temporada. A faixa, inclusive, acusa o dirigente de ladrão e questionado o parecer do montante.


“Laor ‘ladrão’, 190 milhões em 2012, cadê esse $$?”, escreveram os torcedores na faixa. O protesto durou pouco mais de 10 minutos na Vila Belmiro, já que a organização do evento retirou a faixa.

Na última reunião do Conselho Deliberativo do Santos, foi divulgado que o clube arrecadou cerca de R$ 178 milhões, somando o dinheiro da venda do meia Paulo Henrique Ganso ao São Paulo – cerca de R$ 23,9 milhões – e os R$ 36 milhões recebidos de luvas da TV Globo.

O clube alega que o dinheiro foi gasto no pagamento de dividas, mas restou cerca de R$ 20 milhões para serem utilizados em reforços para a próxima temporada. O superintendente administrativo do clube, Henrique Schlithler, foi o responsável para explicar o caso.

“Eu prefiro não responder pela contratação de jogadores, não faz parte da minha alçada. No entanto, quanto aos valores, posso dizer que o Felipe Faro (superintendente de esportes da equipe alvinegra) não está em Santos. Ou seja, está tentando gastar esse dinheiro. Temos o dinheiro em caixa e estamos aplicando em outras funções também, é preciso fluxo de caixa. Os investimentos estão sendo feitos, posso garantir”, afirmou Schlithler.

A diretoria do Santos está pressionada pela torcida devido à falta de reforços para 2013. Até o momento o clube contratou apenas o zagueiro Neto, ex-Guarani.

(Fonte: Esporte.uol.com.br)


Santistas pedem demissões e pressão contra dirigentes aumenta

Nei Pandolfo (à esquerdo) e Pedro Luiz Conceição 
(à direita) foram alvo de protestos

Torcedores do Santos perderam a paciência e voltaram a pedir a saída imediata de alguns dirigentes do clube, durante evento em São Paulo organizado para homenagear os campeões brasileiros de 2002, nesta terça-feira. Com um cartaz, criticaram os principais cartolas do futebol, citando um deles, inclusive, como "corintiano" e o termo "o Santos não precisa de vocês".

Constam no protesto Henrique Schlithler, superintendente administrativo, além de Nei Pandolfo e Felipe Faro, responsáveis pelas contratações de jogadores, e três membros do comitê gestor: Caio di Stefano, Luciano Moita e Pedro Luiz Conceição, ex-diretor de futebol e interlocutor santista na venda de Paulo Henrique Ganso ao São Paulo.

Este não foi o primeiro protesto direcionado a dirigentes. Recentemente, a padaria "A Santista" questionou o trabalho de Pandolfo como gerente de futebol atrelado ao pouco aproveitamento das categorias de base.
No evento, torcedores ainda pediram pela volta do atacante Robinho, do Milan. A contratação já havia sido exigida por uma das organizadas antes do último jogo na temporada, contra o Palmeiras, "custe o que custar".

Dirigentes do Santos se sentem cada vez mais pressionados pelos recorrentes fracassos nas negociações. A dificuldade em anunciar os primeiros reforços para 2013 deixa preocupado o técnico Muricy Ramalho, temeroso, mais uma vez, pela formação do que já atribuiu como "time de um semestre".
Além disso, os dirigentes, principalmente Nei Pandolfo e Felipe Faro, correm risco de demissões antes mesmo do fim do ano. O clube teve recentemente o desligamento de Eduardo Vassimon, influente membro do comitê gestor.

( Colaboração especial de José Roberto Nascimento - Santos / SP)

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Humor no futebol... O Louco "são"



Os loucos do manicômio resolveram jogar uma partida de futebol. 
Detalhe: sem bola.

Ficaram correndo, chutando, comemorando os gols, durante horas, mas um deles se recusou a participar do jogo. Ficou só olhando. Isso chamou a atenção do diretor do hospício, que foi falar com ele.

— Ei, rapaz. Por que você não vai jogar futebol com os seus amigos?

— Eu não! — respondeu ele — Não sou louco!

Sensibilizado com a resposta, o diretor resolveu dar alta para o rapaz. Com certeza ele não estava louco.
Depois que o louco "são" foi para casa, o diretor voltou até o pátio para falar com os internos:

— E aí, quanto está o jogo?

— Cinco a zero pra geeeeente! — gritou um louco, babando.

— E o amigo de vocês, não quis participar do jogo por quê?

— Ah, ele é bobo! — falou outro — Disse que não joga com bola murcha
!

Dez Anos das Pedaladas: Momentos inesquecíveis da campanha do título


Torcedores, dirigentes e ex-jogadores do Santos costumam dizer que o título brasileiro de 2002 foi diferente. O sentimento não é só pelo fim da fila que durava 18 anos ou pelo fato de a conquista ter sido sobre o Corinthians, maior rival do Peixe, mas também por tudo o que aconteceu na competição. O roteiro da glória alvinegra foi digno de Oscar, tendo suspense, drama, comédia e até ação policial.

Para refrescar a memória e matar a saudade, o LANCE!Net separou alguns momentos do clube em 2002. Confirma abaixo:




Nascimento de uma nova geração
Em 24 de março, contra o Guarani, pelo Rio-São Paulo, Diego e Robinho fizeram o primeiro jogo profissional juntos. O atacante entrou aos 41 do segundo tempo no lugar de Robert e o Santos venceu por 2 a 0. Pouco mais de mil pessoas presenciaram aquele momento, que futuramente viria a se tornar histórico.




Acredita
Eliminado na primeira fase do Rio-SP, o Peixe ficou quatro meses sem jogos oficiais e trocou Celso Roth por Emerson Leão. Após muito treino e alguns jogos amistosos contra time medianos, o treinador pediu um amistoso contra o Corinthians. Temeroso, o presidente Marcelo Teixeira fez questão de tratar o jogo como beneficente, para diminuir a importância de uma derrota para o rival (campeão do Rio-SP e da Copa do Brasil). Mesmo com um time repleto de jogadores desconhecido e jovens, o Santos venceu por 3 a 1 e deu show na Vila Belmiro.



Quebra pau
Na primeira fase do Brasileirão, o time perdeu para o Paysandu por 2 a 1 no Mangueirão, mas isso seria apenas um "detalhe". Após alguns jogadores reclamarem do auxiliar, a polícia paraense entrou em ação e mostrou truculência. Na confusão, Leão levou spray de pimenta no rosto e o zagueiro Preto, atingido na cabeça, desmaiou e teve de sair de ambulância. Alberto conta que, no vestiário, Diego e Robinho ainda tiraram sarro de Leão, que estava com o rosto vermelho pelo incidente.



Pintura
Pacaembu lotado de corintianos (os santistas tiveram que dividir o Tobogã) e nem assim os Meninos da VIla se intimidaram. Um dos jogos mais emblemáticos de 2002 foi a vitória por 4 a 2 sobre o rival, na primeira fase. Além da goleada, os torcedores do Peixe vibraram com um gol de bicicleta de Alberto, eleito depois o mais bonito do campeonato.


Que jogo!
Em um clássico eletrizando – no qual até Kaká, com fama de bom rapaz, foi expulso – o Santos perdeu para o líder São Paulo por 3 a 2, no Morumbi. Diego provocou confusão ao marcar gol, subir e pular no símbolo do rival, levando os tricolores, sobretudo Fábio Simplício, à ira. O jogo motivou muito os alvinegros para a fase final.


Susto
Quase o Peixe perde a classificação para a fase final na última rodada, quando foi derrotado pelo São Caetano por 3 a 2, no Anacleto Campanella. Time só avançou pois o já rebaixado Gama venceu o Coritiba por 4 a 2.


Troco
“Mordido” pela derrota na primeira fase, Meninos da Vila pegaram o favorito São Paulo nas quartas e venceram os dois jogos: 3 a 1 e 2 a 1, na Vila Belmiro e no Morumbi respectivamenta. O Tricolor tinha sido o líder disparado na primeira fase e tinha o apelido de "Real Madrid brasileiro".


Humilhou
O Santos venceu o Grêmio no primeiro jogo da semifinal por 3 a 0 e deu show. Robinho irritou o goleiro Danrlei, que, em tom ameaçador disse: "Alguém pode quebrar a perna dele no futuro". Antes, em jogo contra o Coritiba, o camisa 7 havia levado cartão amarelo por "excesso" de dribles, contra o Coritiba.


Na ginga
Diego machucado no primeiro minuto, oito pedaladas, virada corintiana, Leão expulso, defesas incríveis de Fábio Costa...teve de tudo na final do campeonato, que acabou com a vitória do Peixe por 3 a 2, no Morumbi.

(Publicado no site do Lancenet.com.br)

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Dez Anos das Pedaladas: Relembre o elenco santista em 2002


Durante a campanha do título brasileiro de 2002, o técnico Emerson Leão testou diversos esquemas até achar a base da equipe titular. Contra o Botafogo, na primeira rodada, por exemplo, Preto vestia a camisa 6, que depois ficou com Alex. Fabiano Souza era o preferido de Leão para a 9, antes de Alberto e William usarem-a.



Veja abaixo o elenco que encantou o Brasil e relembre alguns "esquecidos" que ajudaram a tirar o Alvinegro da fila de 18 anos sem título:

GOLEIROS:

Fábio Costa - 27/11/1977
Machucado na primeira fase, voltou nas quartas, na vaga de Júlio Sérgio, lesionado. Seis jogos, três gols sofridos.

Júlio Sérgio - 8/11/1978
Fez 24 jogos na campanha, mas se machucou antes da fase final.

Rafael - 3/3/1982
Formado na base, o goleiro participou de quatro jogos na campanha.

ZAGUEIROS:

Alex - 3/5/1982
Após se destacar pelo Juventus (SP), foi contratado pelo Peixe, em 2001. Esteve próximo de ser ser dispensado, mas Leão lhe deu chances e ele se firmou no time. Tinha 20 anos.

André Luís - 31/7/1979
Após passagem ruim pelo clube em 2000 e 2001, foi emprestado para o Fluminense e voltou em 2002.

Preto - 18/12/1978
Reserva, ficou marcado por confusão no jogo contra o Paysandu, quando levou uma pancada de um policial na cabeça, caiu sangrando e foi levado ao hospital de ambulância.

Pereira - 30/7/1979
Tinha 23 anos e participou de oito jogos na campanha.

Bernardi - 2/2/1979
Garoto jogou apenas quatro partidas.

LATERAIS:

Maurinho - 11/10/1978
Aos 23 anos, chegou ao Santos após rodar por times do interior paulista.

Léo - 6/7/1975
Após passagem fracassada pelo Palmeiras, voltou para o União São João. Contratado em 2000,  foi titular absoluto e marcou o gol do título.

Michel - 18/11/1977
Reserva de Maurinho, pouco jogou: três vezes.

VOLANTES:

Renato - 15/5/1979
Começou a carreira no Guarani, chamou a atenção do Santos e foi contratado em 2000. Passou o campeonato inteiro sem receber cartão amarelo e ainda marcou gol na decisão.

Paulo Almeida - 20/4/1981
Com 21 anos, o volante foi capitão na conquista: 28 jogos, nenhum gol.

Alexandre - 6/3/1981
Reserva, jogou 13 vezes.

MEIAS:

Diego - 28/2/1985
Não tinha experiência nem confiança do treinador. Com 17, foi titular antes do amigo Robinho: 26 jogos, dez gols.

Elano - 14/6/1981
Surgiu bem no Guarani e, após rápida passagem pela Inter de Limeira, chegou ao Santos em 2001, com 19 anos.

Robert - 3/4/1971
Voltou de empréstimo do São Caetano e virou o “vovô” da garotada.

Wellington - 4/9/1981
Um dos Meninos da Vila, costumava entrar no segundo tempo, tendo jogado 12 vezes.

Canindé - 7/12/1980
Formado na base, participou de somente uma partida.

ATACANTES:

Robinho - 25/1/1984
Mesmo com a desconfiança de Leão, foi titular em quase toda campanha. Com 18 anos, marcou dez gols em 31 jogos.

Alberto - 27/4/1975
Artilheiro do time no campeonato, com 13 gols em 30 jogos. Estava no Rio Branco-SP antes de ser contratado.

William - 14/5/1983
Com Alberto suspenso, foi titular na final. Na campanha, 17 jogos, três gols.

Fabiano Souza - 18/3/1975
Após rodar por times do interior, teve passagens por São Paulo e Inter antes de chegar ao Santos. Começou como titular, mas perdeu espaço.

Douglas - 16/3/1982
Atacante, de 20, fez oito jogos e um gol. Disputava vaga com Fabiano Souza.

(Fonte: Lancenet.com.br)


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Comemorando 2002: Robinho pedala em Rogério (No ritmo do Créu)

-Ficou só a saudade daquele menino franzino e com muita ginga! Quanta alegria nos deu com suas jogadas  imprevisíveis! Os Europeus lhe deram um corpo atlético, mas tiraram seu futebol mágico...

                                                                                                                                                                                           
                       

Comemoração da conquista do Brasileiro de 2002


Boteco da Vila - (13) 1062.9446 / (11) 3040.4020 - www.botecodavila.com.br
Boteco da Vila - Especial 10 anos de Pedalada
Reviva toda a emoção da conquista do Campeonato Brasileiro de 2002
Retransmissão da partida com narração pela Rádio Santista a partir das 16h00 - Com a presença dos ídolos Alberto e Robert
Corinthians X Santos - 15/12/2012 - Sábado
Local do Boteco: Black Jaw Chopperia - Santos/SP
Clique aqui e garanta a sua entrada
Realicação: Santos FC TourApoio: Black Jaw Chopperia
Boteco da Vila - (13) 1062.9446 / (11) 3040.4020 - www.botecodavila.com.br

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Final Brasileiro 2002: Enquanto isso, no lado de fora do Morumbi...



Caros amigos, dentro de quatro dias, estaremos comemorando uma década da grande conquista do Campeonato Brasileiro de 2002. Para relembrar algumas passagens do dia da final,  nada melhor do que rever os vídeos abaixo. 


Vídeos estes, que mostram o lado de fora do Morumbi, durante a 2ª partida das finais. Veja como os vendedores de bandeiras, cachorro-quente, pipocas e etc, praticamente todos torcedores do Corinthians, acompanharam o jogo através dos radinhos de pilha.

O engraçado é que quando o Santos empatou a partida, alguém gritou que era gol do Corinthians e foi aquela alegria geral. Maior ainda foi a frustração quando entenderam que era o 2º gol do Santos.

Não deixe de ver, é muito engraçado mesmo (principalmente para nós santistas). Observe os vendedores de camisas e bandeiras, quando viram que estava tudo perdido, ensacaram os bagulhos e deram no pé...






Dez Anos das Pedaladas: Ajuda do Gama e classificação milagrosa!



A cena é emblemática. O árbitro Paulo César de Oliveira apita o final de jogo no Anacleto Campanela, em São Caetano, e os jogadores do Santos desabam. Dentre eles, o mais abalado é Elano, que deixa o campo chorando.

– Eu não tinha noção dos outros jogos. Para mim, tínhamos sido desclassificados. Era um trabalho histórico para nós – conta o meia.

Como nenhuma rádio transmitia a partida e não havia acesso a celulares com internet, como nos dias atuais, a torcida santista também vivia um drama. Com a derrota do Peixe por 3 a 2 para o Azulão, todos achavam que o time havia ficado em nono, perdendo a vaga nas quartas de final para o Coritiba. Eis que veio a notícia: o Gama, lanterna e já rebaixado, venceu o Coxa por 4 a 0, com dois gols de Dimba. O Santos estava na fase decisiva.

– Quem me avisou foi o Magrão. Ele falou: “Elano, não precisa chorar, vocês passaram” – diz Elano.

– Ninguém imaginava aquele resultado. Durante a partida foi batendo um nervoso, um desespero. Mas, ao final, vimos que Deus nos deu a chance de entrar para a história – recorda-se o meia Robert.

No vestiário, ao invés de dura, Leão uniu os jogadores. Depois, o grupo se concentrou em Extrema-MG e, sem a presença do técnico, lavou a roupa suja. Em reunião, os atletas prometeram dedicação máxima e se “fecharam” em busca do título. Começava ali a arrancada rumo ao título que tiraria o Peixe da fila de 18 anos sem títulos.

Depois de começar muito bem e passar boa parte da primeira fase entre os líderes, o time de garotos do Santos oscilou. Nos últimos oito jogos, cinco derrotas e apenas duas vitórias. Para muitos, a queda de rendimento era fruto da imaturidade da equipe, que tinha média de 22 anos. O atacante Alberto, porém, tem uma outra explicação:

– Casa cheia, jogo fora, eles falavam: “vamos arrebentar”. E na reta final, contra a Ponte Preta, por exemplo, não estavam tão motivados... Isso acabou influenciando.

Sorte da garotada que, depois da classificação milagrosa, na fase final todos os jogos tinham casa cheia. Aí ninguém segurou!

Com a palavra, Dimba, atacante que estava no Gama (já rebaixado) e marcou dois gols na goleada sobre o Coritiba, que classificou o Santos:
-Este jogo está presente na minha memória até hoje. O Coritiba precisava apenas de um empate e o Santos dependia de nós para se classificar. No entanto, nem pensamos em ajudar alguém, focamos apenas na nossa atuação, em poder acabar a competição dignamente. Eu, particularmente, não fiquei sabendo de nenhum tipo de ”bixo“ do Santos. Entramos com fome de bola mesmo, dispostos a vencer. E outra coisa, na época eu também brigava pela artilharia, né? Fui o vice-artilheiro com 17 gols, dois a menos que o Luis Fabiano, que disputou a fase final. Até hoje alguns torcedores do Santos me agradecem pelos gols

(Fonte:www.lancenet.com.br)

domingo, 9 de dezembro de 2012

Humor no futebol... Marcação Cerrada




O padre ganha de presente um papagaio de um santista dono de buteco. Neste buteco todos eram fanáticos por futebol. 

Aos domingos assistiam as partidas pela TV e discutiam sobre o jogo e os jogadores. Falador e torcedor fanático do Santos, o papagaio participava das discussões.

Na igreja, o padre colocou o papagaio ao lado do púlpito, e ali o papagaio se sentiu confortável.

No domingo o padre foi rezar a missa e não viu problema algum em deixar o papagaio ali ao seu lado.

O padre então começou seu sermão sob os olhares atentos dos fiéis e do papagaio:

— Meus irmãos! Cristo nasceu na Terra Santa, passou por Belém, passou por Nazareth, passou pela Galiléia, passou por Jerusalém, passou por…

Aí o papagaio interrompe:

— Caraca véi…, não tem um beque para segurar esse cara?

sábado, 8 de dezembro de 2012

Anos 90, a década "quase perdida" do Santos


Caros amigos, sem títulos nacionais, estaduais ou mesmo uma nova Libertadores na década de 90, muitos a designam como uma década (quase) perdida da história do clube.

Nos gramados, apenas dois troféus conquistados: o Rio-São Paulo de 1997, e a Copa Conmebol de 1998, esta sim conquistada com uma dose de "guerra", tipicamente sul-americana. Mas o que doeu, mesmo, foi um título que não houve: o brasileiro de 1995, onde o vice foi decidido no apito de um árbitro mineiro.

Fora das quatro linhas, conquistas e problemas. A maior aquisição patrimonial foi a construção do CT Rei Pelé, lançando as bases da estrutura que o Alvinegro dispõe hoje, contrapondo com mazelas administrativas, que tiveram de ponto alto o afastamento do presidente Miguel Kodja Neto, em 1994. Alguns bons jogadores, jogos marcantes e uma pergunta: seria possível o Santos voltar a ser o Santos? A década seguinte mostrou que sim.

Em 1995, o Santos vivia a chamada política dos "pés no chão": pouco dinheiro para investimentos e apelando para talentos promissores vindos de clubes menores. No comando, Cabralzinho, ex-jogador do Alvinegro, que participou da equipe campeã da Libertadores em 1962. Dentre os jogadores, um se destacava em especial: o paraense Giovanni.

Na semi-final do Brasileirão de 1995, após perder no Maracanã por 4 a 1 para o Fluminense, o Peixe teria de vencer por três gols de diferença para ir à decisão. Giovanni brilhou em uma atuação nota 10. Fez gols, deu passes e comandou o time à épica e inesquecível vitória por 5 a 2.

Veio a final contra o Botafogo. Sob forte chuva no Rio, com Túlio Maravilha à frente, o cariocas venceram por 2 a 1. O Pacaembu, assim como foi diante do Flu, recebeu a decisão do titulo. O desfecho, porém, foi outro. E o responsável vestia preto.

O árbitro mineiro Marcio Rezende de Freitas teve desempenho inesquecível - no pior sentido da palavra. Validou o gol de Túlio, em claro impedimento, confirmou o gol de Marcelo Passos, após toque de mão irregular de Marquinhos Capixaba, e invalidou o único gol legítimo da partida, o do título santista, assinalado por Camanducaia. A festa foi botafoguense, mas o gosto amargo, este, era todo santista.

O Rio-São Paulo de 1997 buscava resgatar uma antiga tradição, incorporando ares de modernidade. Promovida pelo SBT, a competição trazia inovações, como o tempo técnico, solicitado pelos treinadores, e o tiro livre da meia-lua, contra a equipe que excedesse o limite de 15 faltas cometidas.

Sandro,  Juary, Alessandro e Ronaldão, comemoram no Maracanã, o gol que dá ao Santos
o título do Rio-São Paulo de 1997

Na decisão, o Flamengo de Romário era o adversário a ser batido. Com veteranos, como o goleiro Zetti e o zagueiro Ronaldão, o Peixe segurou o Rubro-Negro carioca e venceu por 2 a 1. Na decisão, no Maracanã, uma prova de fogo para alguns jogadores jovens, como Alessandro Cambalhota, Anderson Lima e Juary.


De falta, o lateral-direito santista abriu o placar, ampliando a vantagem dos visitantes. Porém, o Fla empatou pouco depois, com Romário, de pênalti. O Baixinho , aos 45, fez o gol da virada rubro-negra, incendiando o (então) maior estádio do mundo.

Porém, o destino reservou ao jovem Juary o papel de heroi da conquista do Santos. Aos 32 da etapa final, ele mandou um balaço, sem chances para Zé Carlos. 2 a 2 e a taça iria para a Vila Belmiro - a primeira em treze anos.

A "batalha de Rosário"

Se a seca de títulos nacionais já era grande, de conquistas sul-americanas, então, já duravam mais de duas décadas. Até que, em 1998, o Santos teve a chance de voltar a conquistar a América. Não era a Libertadores, mas sim a Copa Conmebol, já extinta.

Após passar por Once Caldas (Colômbia), LDU (Equador) e Sampaio Correia (Brasil), este útimo na semifinal, o Peixe foi para a decisão contra os argentinos do Rosário Central. O clima de guerra daria o tom do confronto, sobretudo para os santistas,
Este foi o time que entrou em campo para a "batalha" de Arroyto:
Em pé: Zetti, Anderson, Élder, Sandro, Claudiomiro e Marcos
 Basílio. Agachados: Athirson, Eduardo Marques, Alessandro,
Fernandes e Narciso.
Na Vila, no primeiro jogo, o Peixe, então dirigido por Emerson Leão, vanceu por 1 0. O gol foi marcado por Claudiomiro. de cabeça. Não faltou reclamação da parte dos donos da casa, sobretudo devido às expulsões do zagueiro Jean e do atacante Viola, além do próprio Leão.

Bastante desfalcado, o Peixe foi ao Gigante de Arroyito, precisando apenas de um empate. Apenas? Um autêntico inferno aguardava os santistas, como recordou o capitão Narciso, em 2008. "Quando chegamos, tivemos de passar por uma barreira de policiais de uns 800 metros, com os torcedores atirando de tudo em nós. Os policiais revidaram com balas de borracha".

"A pressão foi total. Seguramos o jogo inteiro, aguentando até cuspidas do adversário. Depois da partida (terminada em 0 a 0), comemoramos timidamente no estádio e fomos festejar no hotel", disse Narciso. O caminho de glórias estava revisitado, sugerindo novas conquistas. Que viesse o novo século, então..
(Fonte texto: Jornal A Tribuna.com.br - Santos / SP)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Dez Anos das Pedaladas: Faixas viradas e comemoração antes da hora







Por volta dos 25 minutos do segundo tempo da finalíssima do Brasileirão de 2002, parte da torcida do Santos que estava no Morumbi tomou uma decisão que poderia mudar a história do clube. Pelo menos para os supersticiosos.

Depois de mais de um ano com as faixas de cabeça para baixo em protesto ao jejum de 18 anos, a Torcida Jovem, maior organizada do Peixe, começou a virar as bandeiras. O placar estava 1 a 0 (3 a 0 no agregado) e o título parecia próximo.

– Quando pôs a mão na faixa, os caras (Corinthians) fizeram dois gols – conta Marcos Santos, o Gordinho, atual presidente da torcida.

A manifestação perdurava desde a goleada de 5 a 0 sofrida para o mesmo rival no Paulistão de 2001, no Pacaembu. A Sangue Jovem, outra organizada santista, também virou as faixas, mas, com a boa campanha do time de Diego e Robinho, cessou os protestos durante o Brasileirão.

A nova geração de Meninos da Vila, no entanto, não convenceu a Torcida Jovem a mudar de ideia.

– Quando vencemos o Corinthians por 4 a 2, com o gol de bicicleta do Alberto, muitos pensaram em virar as faixas. Depois, entendemos que não era a hora. O dia ia chegar – lembra o torcedor Paulo Roberto.

A pressão para que o protesto fosse encerrado era grande. Mais do que o técnico Emerson Leão e o grupo de jogadores, os objetos de cabeça para baixo incomodavam ao presidente Marcelo Teixeira e a seus assessores, que pediam com frequência o fim das manifestações. Com a classificação à final, as cobranças se intensificaram, mas os diretores da Torcida Jovem seguiram relutantes.

A história tem uma versão controversa. Marcelo Teixeira conta um episódio negado pela organizada:

– Após a goleada de 4 a 2 sobre o Corinthians, o pessoal da torcida pediu uma reunião comigo, queriam negociar a volta das faixas ao normal. Aí eu não quis, entrou a superstição. Ficou virada até ali, agora ia esperar até o fim – diz o mandatário.

Outra controvérsia é sobre a reação após o segundo gol corintiano na final. Há quem diga que as bandeiras voltaram para o lugar de cabeça para baixo. Os torcedores negam e dizem que só recolocaram as peças após o gol de Elano, aos 43. O que não se discute é que nem a superstição foi capaz de tirar o título santista. O Peixe voltava a ter faixas de campeão.

A palavra de quem fez história:
"Atrapalhava em tudo, pressionava jogador, prejudicava a imagem do clube. Era um protesto normal, mas incomodava. Mas e eu? Não tinha culpa pelos 18 anos. Faça isso com o próximo! Se eu fosse omisso até vai, mas estava tentando" - Marcelo Teixeira, presidente do Santos na época.

“Era muita pressão, mas eu não sentia. Só de subir jovem para o profissional já era uma vitória. Apesar de sermos jovens, sempre tivemos muita personalidade” - Robinho, camisa 7 do Santos no título

“Tudo isso fazia parte do motivacional nosso. Faixa virada, torcida e Leão pedindo contratações e o clube não contratava ninguém... Tudo isso foi dando confiança para nós” - Alberto, atacante do Peixe em 2002

“Naquela época ninguém queria jogar pelo Santos. Era faixa virada, pressão até em treino, salário atrasado... Hoje chove jogadores esperando proposta ou se oferecendo ao Santos” - Léo, lateral santista no fim do tabu

(Fonte: Lancenet.com.br)


Correndo pelo Peixe...


quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Resgate Santista lamenta saída de Vassimon e reitera apoio a ex-membro do CG


A Associação Movimento Resgate Santista lamenta profundamente a saída do ex-vice-presidente do Itaú, Eduardo Vassimon, do Comitê de Gestão do Santos Futebol Clube. Pessoa de caráter íntegro, alia honestidade com competência profissional e pessoal.

Nestes três anos de revolução na administração do clube santista, foi um dos responsáveis direto pelo saneamento das contas e por ajudar, de forma próxima, a renegociar dívidas, juros e empréstimos aos quais o Santos foi submetido nos dez anos anteriores ao mandato da atual diretoria.

Apesar de deixar, de maneira irrevogável, o cargo, a Associação Movimento Resgante Santista reitera o apoio a Eduardo Vassimon por seus serviços prestados ao clube, pelos quais não recebia nenhuma remuneração. Além disso, é louvável que a saída de um dos membros do Comitê de Gestão tenha sido baseada, principalmente, por causa da manutenção dos príncipios de administração e ética que haviam sido previamente acordados entre as partes.

Em um momento de especulações e de inúmeras solicitações, é preciso manter a astúcia e calma. Se não era mais possível mantê-las dentro do Comitê de Gestão, Eduardo Vassimon fez o que achava certo para seguir seu caminho de sucesso fora do Santos. Fica aqui o nosso obrigado e um até logo.
Associação Movimento Resgate Santista

(Colaboração especial: José Roberto Nascimento - Santos / SP)